Archive for the ‘Uncategorized’ Category

E lá se vão 4 meses…

junho 17, 2010

Ando muuuuito sumida daqui. Aos poucos a vida vai tomando uma cara mais normal, mas os momentos livres ainda são raros.

Luiz Henrique está com 4 meses e 11 dias. Na última visita ao pediatra, há 15 dias, ele já estava com 6,8 kg e 63 cm. Graças, exclusivamente, a muito leite materno. Desde que completou 3 meses ele já pula a mamada da madrugada e dorme a noite toda, o que significa uma chance de descanso pra mamãe aqui! Só que são nessas 8 horas em que ele dorme que eu tomo banho, leio e-mail, vejo tv, leio jornal, livros sobre bebês, janto, fico com o maridão, durmo… Tá certo que os avós Jorge e Vera são incansáveis e ajudam muuuuuito, mas nunca achei que entreter uma criança de 4 meses fosse tão cansativo!!! Imagina quando ele começar a engatinhar! hehehehehehehe.

As cólicas passaram e apenas o refluxo persiste. Ele é responsável pelas minhas maiores preocupações. Uma criança que golfa tanto vai crescer o que precisa? A balança do pediatra me prova que sim todo mês. Mesmo assim, dá um aperto no coração vê-lo golfando tanto. 😦

O lado bom disso é que, passados pouco mais de 4 meses, já vemos como ele é uma criança bem-humorada. Segundos depois de uma bela golfada, muitas vezes todo sujo e com aquele cheirinho de azedo, ele abre o maior sorriso do mundo, como quem diz: ‘Tá tudo bem, mãe. Coloquei pra fora só o excesso.’

Como ele já está um rapazinho, os passeios são mais frequentes. Ele quase não chora, distribui sorrisos e deixa mamãe e papai cada vez mais orgulhosos. A fotinho é da festa junina da Eja lá no Colégio São Vicente. Vovó Vera trabalha lá, mamãe Mariana e papai Thales estudaram lá, se conheceram lá, começaram a namorar e até casaram lá. E na primeira visita do Luiz Henrique ao São Vicente, uma foto no lugar onde mamãe e papai deram o primeiro beijo! Quibunitinhu!!!!

Anúncios

Você tem fome de quê?

abril 15, 2010

Durante toda a gravidez, uma das minhas maiores preocupações era a amamentação. Ao mesmo tempo em que ouvia muitas histórias de dor e sofrimento, ouvia também relatos da mais pura alegria com a experiência. Eu conseguiria?

Um resumo do que aconteceu: a primeira semana foi MUITO difícil. Seios sem leite nos dois primeiros dias, dor, falta de jeito, mais dor, depois leite em profusão. A dificuldade era esperada. Eu nunca tinha amamentado um filho e o Luiz Henrique nunca tinha mamado na vida. É claro que o resultado disso seria uma dupla sem jeito, tentando se entender.

Tive a santa ajuda da enfermeira Graziela, da Perinatal, que me orientou perfeitamente sobre a apojadura (que é a ‘descida’ do leite), sobre como estimular a produção do leite na medida certa, as melhores posições para amamentar, como fazer com que o Luiz Henrique não engolisse ar e muitos outros detalhes.

Além disso, tive todo o apoio do mundo do Thales, que desde o início sabia como era importante pra mim – e principalmente pro Luiz Henrique – que essa experiência desse certo.

Com o passar dos dias, fomos nos acertando. O Luiz Henrique tem dois meses e dez dias de vida e nunca provou nada que não fosse meu leite. Essa semana, pela primeira vez, fez intervalos de cinco horas entre as mamadas na madrugada e nos deixou dormir um pouquinho. Durante o dia continuamos com intervalos mais curtos para que nosso filhote continue a crescer lindo e saudável.

Olha que bocheca gorducha depois de mamar!!!

Depois de cada mamada, ainda retiro o excesso de leite com uma bomba como essa. É uma maravilha e não machuca nada. Como o Luiz Henrique nunca tomou leite sem ser no peito, todo o leite que tiro diariamente (+/- 350ml or dia) é congelado e doado para o Banco de Leite Humano do Instituto Fernandes Figueira. Além de encher o bucho do filhote, ainda conseguimos ajudar alguns bebês.

Hoje, vivo a sensação que tantas mães descrevem: compartilho com o meu filho um momento único de amor e cumplicidade. Já sofro por antecedência com a perspectiva de voltar ao trabalho e isso se interromper. Mas isso é assunto pra um outro dia…

Melhor que a encomenda

março 4, 2010

Filho,

Obrigada por me fazer entender, em apenas um mês de convivência, coisas que ouvi a vida inteira e não entendia. Hoje sei porque a maior parte dos textos sobre crianças são repletos de clichês. Impossível não ser piegas e óbvia nessa hora.

O sonho de ser mãe vinha do tempo das bonecas. Por quase toda a vida sonhei como você seria, que cara teria, de que coisas gostaria. Há milhões de coisas a descobrir. Mas olhar você a cada dia é um presente maior do que qualquer outro.

Eu (e sei que certamente seu pai) espero cometer erros diferentes dos cometidos pelos meus pais, acertar tantas coisas quanto eles acertaram e construir uma relação de amor e confiança com você.

Você é fruto de um amor que já dura quase 13 anos. No tempo em que eu e seu pai estamos juntos, sonhamos muuuuuuito com você. Mas você saiu muito melhor que a encomenda. Obrigada!

Reta Final

janeiro 31, 2010

Lá se vão dois meses desde que escrevi aqui pela última vez. A combinação trabalho + cansaço + calor + dor nas costas me deixou longe do computador à noite, quando costumava escrever aqui.

Tantas e tantas coisas aconteceram nesse tempo. Chegamos ao tão esperado nono mês da gestação!!! Há 13 dias, na última ultrassonografia que fizemos, o Luiz Henrique já tinha aproximadamente 49 cm e 3,200 kg. Com o cálculo de que ele ganha, em média, 200g por semana, ele deve chegar a quase 4kg até nascer.

Esse tamanho, aos poucos, está acabando com as minhas esperanças de parto normal. Nosso filhote está na posição certa, mas ainda não está ‘encaixado’ e dificilmente conseguirá. Paciência.

Na última consulta, o coração quase explodiu de nervoso quando o Dr. Pedro olhou os exames e disse: “Não chega ao Carnaval!”. Na sexta-feira, na próxima consulta, teremos uma previsão mais aproximada do dia em que finalmente conheceremos o Luiz Henrique. Haja coração.

As malas estão prontas e a partir dessa semana não trabalho mais. O objetivo é tentar descansar e arrumar as últimas coisas que faltam na casa. Duro vai ser segurar a emoção. Ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, tá chegando a hora!!!!

O maravilhoso mundo das compras

novembro 10, 2009

Enxoval

Uma das coisas práticas mais legais da gravidez são as compras – pelo menos para uma grávida consumista como eu! Todas as coisinhas lindas e fofas que você precisa comprar para quando seu filhote chegar ao mundo são irresistíveis. Tá certo que até há poucos meses, eu nem sabia que muitas delas existiam e muito menos que eram úteis. Mas já que são úteis, vamos aproveitar!!!!

A decoração do quarto é um capítulo à parte, como você já viu aqui e aqui. Aí sobram macacões, bodys, acessórios e mais acessórios. Desde o início, o Luiz Henrique ganhou tantos presentes que decidi que meu foco seriam as coisas que não se costuma ganhar. Aí sobram mantas, cueiros, lencóis, kits de berço, toalhas, fraldas, bolsas, malas, etc.

Com um deslize ou outro, tenho conseguido me ater à lista do enxoval. São Paulo foi uma tentação e tanto. São lojas incríveis, coisas que não vejo nas lojas aqui do Rio, muito mais opções. Eu e Thales ficamos loucos na Petit Retrô e na Mama Art. E por outro lado ficamos espantados com os preços!

Petit Retrô

Imagino a loucura pra quem viaja e vai a NY fazer o enxoval do filhote!!!! Se bem que os preços são bem mais convidativos… Basta dar uma olhada na Babies”R”Us.

Essa animação consumista já nos fez pensar: até que ponto é necessário e válido gastarmos fortunas com quadros para a decoração do quarto ou uma mala para levarmos para a maternidade? Há uma indústria que lucra – e muito – com esse mercado. Besteiras, coisas úteis e inúteis e coisas que eu – como mãe de primeira viagem – não sei se vou usar ou não. Com a ajuda da minha mãe e da minha dinda, fiz uma seleção do que realmente importa. E sigo me divertindo comprando essas coisas.

Babette Bebê

Babette Bebê

Aqui no Rio, o lugar que mais gosto para olhar (e comprar, claro) coisas para o Luiz Henrique é a Babette Bebê, no Humaitá. É uma loja de fabricação própria, com coisas lindas e por ótimo preço. Sexta-feira estive por lá mais uma vez e comprei uma linda bolsa que vai nos acompanhar nos próximos meses. Deus abençoe o meu cartão de crédito! 😀

Como uma onda no mar

outubro 8, 2009

Na terça-feira à noite, o papai sentiu o Luiz Henrique pela primeira vez. Na verdade, não foi um chuuuuute muito convicto, tava mais pra uma onda. Eu estava deitada e é nessa hora em que eu fico tranquila, calma, em silêncio e consigo notar mais as coisas. E parece que é nessa hora em que ele se anima!

Comecei a perceber que ele mexia muito e que dava pra notar os movimentos. Dei um singelo grito e chamei o Thales, que estava no computador. Ele conseguiu sentir uma onda e deu o braço a torcer: BARRIGAS TREMULAM SIM!!! Não são só as bandeiras. Essa foi a forma mais precisa que encontrei para descrever os primeiros movimentos do Luiz Henrique. Agora o que eu sinto já é diferente, mas o que deu pro papai notar foi a tremulada. Já é um começo, né? 🙂

Sombra e água fresca: ADEUS!!!

setembro 22, 2009

Foram 21 dias em casa. Nada mal, né? Mas o bem-bom da licença dada às grávidas por causa da gripe suína acabou. Amanhã a vida volta ao normal e confesso que estou com preguiça só de pensar.

Cozinhei – e por consequência comi – muito, dormi muito, pensei muito. Passei hoooras na internet, li todos os blogs, sites, livros e revistas sobre gravidez do mundo! Vi as decorações mais lindas e as mais esquisitas para quartos de bebês, ganhei presentes incríveis (eles merecem um post qualquer dia desses), comecei a fazer exercícios, fiz uma ultra e enchi muuuuito o saco do Thales. 😛

Foi bom ter tempo para fazer tudo isso, mas tenho que admitir que a paciência estava acabando. Não é como estar de férias. Além da licença, seguindo as orientações do obstetra, tive que ficar longe de shoppings, restaurantes (é verdade que ignorei essa orientação umas duas vezes), cinemas, teatros. Os programas se resumiram a rápidas idas ao supermercado mais perto, almoços na casa dos meus pais, um churrasco e uma saída para a casa de um amigo. Tudo para evitar a gripe suína. Deu certo, ainda bem, mas foi chaaaato.

Não posso dizer que volto às atividades normais 100%, já que estou com uma sinusite chata há uma semana. Antibiótico por 14 dias. E pra completar, Thales tá com conjuntivite. Sensacional, né? Luiz Henrique tem pais muito saudáveis… hehehehe

Amanhã vou desfilar minha barriguinha por aí. Até que enfim!!! 🙂

Muito grávida!!!!

agosto 29, 2009

Adorei quando comecei a ler o capítulo do segundo trimestre de gestação de um livro e dizia: AGORA TODOS DESCOBRIRÃO QUE VOCÊ ESTÁ GRÁVIDA!!!

Os que sabem que eu estou grávida já acham que a barriga está enooooorme, crescendo a cada dia. Eu concordo, acho que já dá pra notar, mas a verdade é que quem não sabe, acha apenas que estou gorda! E eu já me sinto MUITO grávida!!!

Não sei bem com que objetivo, mas não vejo a hora de todos na rua notarem!!! Essa semana, pela primeira vez, peguei a fila preferencial no supermercado. Tá certo que o caixa estava vazio e a mulher olhou pra mim com uma cara tipo ‘ok, você pode usar aqui porque não tem ninguém agora’. Empinei a barriga e fiquei esperando ela falar alguma coisa…

Se a ansiedade por ver a barriga crescer é grande, maior ainda é a vontade de sentir meu filhote mexer. Mas terei que ter paciência. Já me avisaram que mães de primeira viagem só percebem alguma coisa depois de 20 semanas!!! Será????

Agora que o primeiro trimestre acabou, os primeiros medos estão dando lugar a outros, enquanto as dúvidas só se acumulam!!! Assim, por mais que eu queira conhecer logo meu filhote, acho que o tempo é fundamental para eu tentar aprender alguma coisa e estar minimamente pronta para quando ele chegar.